quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Pilates para crianças

Com o avanço tecnológico, as crianças estão cada vez mais sedentárias. Se antigamente seus passatempos preferidos eram subir em árvores e brincar de pega-pega e esconde-esconde, hoje são o computador e o videogame.



Além disso, poucas crianças vão hoje a pé para a escola e, quando o fazem, é carregando uma mochila pesada (geralmente da forma errada) e lá ficam sentados em suas carteiras escolares com uma péssima postura.

Atualmente, problemas como dores e alterações posturais não são mais exclusivos dos adultos; e por isto é que a procura por um esporte na infância tem aumentado bastante, como alternativa para driblar estes novos problemas do universo infantil.

A prática esportiva para as crianças é essencial para um crescimento saudável, porém as respostas do organismo são diferentes nesta fase da vida, e é preciso que a intensidade e frequência do exercício sejam bem controlados por um profissional da área, já que diferem muito do adulto.

Pilates é uma ótima alternativa para crianças, e tem diversos benefícios para os pequenos:


- Consciência corporal: aumento da percepção do próprio corpo, melhora da noção espacial, conhecimento de seus limites e do limite dos outros a sua volta. Ideal também para crianças/ adolescentes em fase de crescimento, para um melhor reconhecimento das mudanças na estrutura corporal.



- Postura: o Pilates trabalha a postura de diversas formas, trazendo um melhor posicionamento da criança frente ao computador, videogame ou horas sentado na escola, durante o andar e para carregar pesos, como a mochila. Diminui também o risco de alterações posturais que poderiam se estender para o  futuro: muitos casos de escoliose idiopática começam na adolescência e podem ser evitados com o Pilates. Prevenção é o melhor remédio!

Respiração: o Pilates trabalha a respiração de forma profunda e sincronizada, melhorando a qualidade da mesma no dia-a-dia, durante os esforços e até durante o sono, devido ao aumento da capacidade pulmonar e de troca gasosa promovida.

- Concentração: a concentração necessária para a execução dos exercícios pode melhorar o desempenho escolar da criança. Em casos de déficit de atenção e hiperatividade, o Pilates pode ser uma ótima ferramenta.

- Coordenação: os exercícios podem ser trabalhados de forma a aumentar a coordenação motora da criança, contribuindo com seu desenvolvimento motor.

- Equilíbrio: o Pilates desenvolve esta habilidade motora, melhorando o equilíbrio e as respostas musculares frente aos desequilíbrios gerados no dia-a-dia.

- Combate à obesidade e ao sedentarismo: ao iniciar cedo uma atividade que gosta, de forma lúdica e recreativa, a criança desenvolve desde pequena o gosto pelo exercício físico e esportes, e tem uma motivação a mais para aderir aos hábitos alimentares saudáveis, diminuindo risco de obesidade e sedentarismo.

- Sociabilização: o Pilates para crianças pode ser realizado de forma individual, porém as duplas ou grupos são mais indicados, pois promovem uma maior interação social, além de trabalhar questões como senso de equipe, solidariedade e respeito pelos limites e conquistas do outro.


É importante ressaltar que competitividade e treinos em excesso não devem fazer parte do mundo infantil. Se você quer garantir que seu filho faça uma atividade boa e produtiva, e adequada a sua faixa etária, procure um profissional da área!  

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Epicondilite lateral - o cotovelo do tenista


A epicondilite lateral - ou cotovelo do tenista - é uma lesão crônica, causada por um estresse repetitivo sobre os tendões dos músculos extensores do punho.


A articulação do cotovelo é formada por 3 ossos: úmero (no braço), ulna e rádio (no antebraço). Na extremidade inferior do úmero (na região do cotovelo) existem duas protuberâncias ósseas, chamadas epicôndilo lateral e epicôndilo medial.

A epicondilite lateral, como o próprio nome diz, acomete a região do epicôndilo lateral, onde se inserem os músculos extensores do punho e dedos, tais como extensor radial longo do carpo, extensor radial curto do carpo, extensor comum dos dedos e extensor ulnar do carpo.


A epicondilite é causada por uma sobrecarga repetitiva destes músculos, muito usados por tenistas - daí vem o "apelido" desta doença - ou outros atletas que utilizem raquetes, ou em movimentos cotidianos com o punho em extensão, como ao digitar por muito tempo.

Veja como sentar-se corretamente ao utilizar o computador para evitar este problema.

O músculo sobrecarregado pode entrar em processo inflamatório, gerando uma tendinite; ou pode haver um desgaste do tendão (tendinopatia não inflamatória) por uma diminuição da vascularização destes tendões, causando dor ao esforço.



Os sintomas começam com dor na face externa do cotovelo ao esforço, evoluindo para sensibilidade da região ao toque e dor durante tarefas leves. Esta dor pode chegar a irradiar para o antebraço e punho.

No tratamento inicial da epicondilite deve-se diminuir ou cessar as tarefas que causam dor (às vezes até imobilizando a articulação) e realizar fisioterapia analgésica (crioterapia, ultrassom). Aos poucos são introduzidos exercícios de fortalecimento e correção dos movimentos, para que estes sejam realizados de forma mais harmônica e com menor sobrecarga possível.

O fisioterapeuta também pode aplicar bandagens funcionais, que auxiliam na proteção da articulação e também na correção  do movimento articular, além de dissipar a energia entre os tendões, diminuindo a sobrecarga sobre um tendão único.

Poucos casos evoluem para tratamento cirúrgico, pois a maioria tem sucesso ao tratamento conservador.



quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Lesões mais comuns em corredores




A corrida é hoje um dos esportes mais populares no Brasil e no mundo. Esta popularidade é devida à facilidade de praticar esse esporte: é só calçar um tênis e sair correndo. Mas será que é tão simples assim?

A corrida é um esporte de impacto repetitivo, portanto qualquer fase da passada  que seja realizada de forma incorreta estará sendo repetida várias vezes em um treino ou prova, significando um microtrauma por estresse em alguma estrutura corporal.

Desta forma, um recente estudo da Universidade Cidade de São Paulo mostrou que as lesões mais comuns neste esporte são crônicas: síndrome do estresse medial da tíbia (a famosa "canelite"), tendinopatia de Aquiles e fascite plantar.



As causas mais comuns destes tipos de lesão são treinamento excessivo, alterações do padrão da corrida, treino inadequada e insuficiente força muscular da perna e pé.

Por isto, o treino da corrida, assim como de qualquer outro esporte, deve ser acompanhado por um profissional habilitado, que trabalhe a correção do gesto esportivo, para que o movimento não seja feito de forma inadequada e não estresse a articulação. 

Além disso, corredores deveriam realizar o teste da pisada com um fisioterapeuta do esporte, que possa trabalhar especificamente as necessidades de cada atleta em relação à sua pisada, diminuindo o risco de lesões e melhorando seu desempenho.
O atleta também deve trabalhar habilidades como propriocepção, controle muscular, equilíbrio e flexibilidade, e para isso o treinamento funcional e o Pilates são ótimos para complementar o treino dos corredores.

Em casos onde alguma dessas lesões já ocorreu, o ideal é parar ou diminuir o volume, intensidade e frequência dos treinos e consultar um fisioterapeuta.



quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Vôlei sentado


O vôlei brasileiro foi muito bem sucedido nestas Olimpíadas de Londres. Em quadra, a seleção feminina ganhou medalha de ouro e a masculina, prata. No vôlei de prata, a dupla Alison e Emanuel nos trouxe uma medalha de prata, e o bronze veio pela dupla Juliana e Larissa.

Desta forma, o vôlei passou a vela no ranking de medalhas totais do Brasil em Olimpíadas. Ao todo, o vôlei já trouxe 20 medalhas olímpicas para o Brasil, seguido pelo judô, com 19 medalhas; e a vela, com 17.

Entretanto, existe uma terceira modalidade de vôlei: o VÔLEI SENTADO, praticado somente por atletas com alguma deficiência.



O vôlei sentado surgiu em 1956, na Holanda, a partir da fusão do voleibol convencional e o sitzbal, (esporte alemão jogado sem rede, praticado por pessoas com mobilidade limitada que jogam sentadas). Nesta modalidade podem competir pessoas com diferentes tipos de deficiência: amputados, paralisados cerebrais, lesionados na coluna vertebral e pessoas com outros tipos de deficiência locomotora. 

O vôlei sentado foi incluído nos Jogos Paraolímpicos em 1980. O Brasil estreou nesta modalidade nas Paraolimpíadas de Beijing em 2008. Existem seleções masculinas e femininas.

Além de estarem sentados ao invés de em pé, existem algumas outras diferenças do vôlei sentado em relação ao convencional: 

- a quadra é menor, medindo 10x6m; e a altura da rede também é inferior (1,15m do solo no masculino e 1,05m para o feminino)

- no voleibol paralímpico o saque pode ser bloqueado

- é permitido o contato das pernas de jogadores de um time com os do outro, porém as mesmas não podem atrapalhar o jogo do adversário

- o contato com o chão deve ser mantido em toda e qualquer ação, sendo permitido perdê-lo somente nos deslocamentos.

As semelhanças estão no número de sets e pontos por set (cada jogo é decidido em melhor de cinco sets, vencendo o time que marcar 25 pontos no set. Em caso de empate, ganha o primeiro que abrir dois pontos de vantagem. Há ainda o tie breakde 15 pontos).

Vamos então torcer para que nossa seleção de vôlei sentado traga tantas medalhas como no vôlei "convencional".




Veja também outros esportes paraolímpicos:




Para receber informações sobre os outros esportes durante os Jogos Paraolímpicos, cadastre seu email no nosso site (ao lado direito da tela) ou curta nossa fan page no Facebook: www.facebook.com/fisioterapia.denisepripas.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O Futebol Paraolímpico

Continuando a série de posts sobre esportes paraolímpicos, irei falar da modalidade esportiva mais popular no Brasil: o futebol!


O futebol está representado nas Paraolimpíadas em duas modalidades: "futebol de cinco" e "futebol de sete".

O futebol de cinco é exclusivo para cegos ou deficientes visuais. As partidas podem ser em uma quadra de futsal adaptada ou em campos de grama sintética. 
Cada time é formado por cinco jogadores – um goleiro e quatro na linha. O goleiro é o único jogador que tem visão total e não pode ter participado de competições oficiais da Fifa nos últimos cinco anos. 



Diferente dos estádios com a torcida gritando, as partidas de futebol de cinco são silenciosas, em locais sem eco. A bola tem guizos internos para que os atletas consigam localizá-la. A torcida só pode se manifestar na hora do gol. Os jogadores usam uma venda nos olhos e se tocá-la é falta. Com cinco infrações, o atleta é expulso de campo e pode ser substituído por outro jogador. Há ainda um guia, o chamador, que fica atrás do gol, para orientar os jogadores, dizendo onde devem se posicionar em campo e para onde devem chutar. O jogo tem dois tempos de 25 minutos e intervalo de 10 minutos.

Os jogadores são classificados em 3 categorias:

B1 – Cego total: de nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos até a percepção de luz, mas com incapacidade de reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância ou direção.
B2 – Jogadores já têm a percepção de vultos. Da capacidade em reconhecer a forma de uma mão até a acuidade visual de 2/60 e/ou campo visual inferior a 5 graus.
B3 – Os jogadores já conseguem definir imagens. Da acuidade visual de 2/60 a acuidade visual de 6/60 e/ou campo visual de mais de 5 graus e menos de 20 graus.

Para garantir a igualdade entre eles, todos usam uma venda; porém em Jogos Paralímpicos, esta modalidade é exclusivamente praticada por atletas da classe B1 (cegos totais).

Já o futebol de sete é praticado por atletas do sexo masculino, com paralisia cerebral, decorrente de seqüelas de traumatismo crânio-encefálico ou acidente vascular encefálico. Cada time tem sete jogadores (incluindo o goleiro) e cinco reservas. A partida dura 60 minutos, divididos em dois tempos de 30, com um intervalo de 15 minutos. Não existe regra para impedimento e a cobrança lateral pode ser feita com apenas uma das mãos, rolando a bola no chão. Os jogadores pertencem às classes menos afetadas pela paralisia cerebral e não usam cadeira de rodas.



Os jogadores são distribuídos em classes de 5 a 8, de acordo com o grau de comprometimento físico. Quanto maior a classe, menor o comprometimento do atleta. Durante a partida, o time deve ter em campo no máximo dois atletas da classe 8 (menos comprometidos) e, no mínimo, um da classe 5 ou 6 (mais comprometidos). Os jogadores da classe 5 são os que têm o maior comprometimento motor e, em muitos casos, não conseguem correr. Assim, para estes atletas, a posição mais comum é a de goleiro. Vale lembrar que a paralisia cerebral compromete de variadas formas a capacidade motora dos atletas, mas, em cerca de 45% dos indivíduos, a capacidade intelectual não é comprometida.


Para receber informações sobre os outros esportes durante os Jogos Paraolímpicos, cadastre seu email no nosso site (ao lado direito da tela) ou curta nossa fan page no Facebook: www.facebook.com/fisioterapia.denisepripas.

Veja também:

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Jogos Paraolímpicos - Londres 2012 não acabou!

Para quem acha que as Olimpíadas de Londres já acabaram, está muito enganado!

Amanhã começam as Paraolimpíadas, que incluem atletas com diversos tipos de deficiências físicas: amputações, cegueira, paraplegia, tetraplegias e paralisia cerebral.



A primeira edição dos Jogos Paraolímpicos aconteceu em 1959 , em Roma. Atualmente, os jogos acontecem na mesma cidade que sedia os Jogos Olímpicos, sempre no mês seguinte.

Existem 28 modalidades reconhecidas no esporte paraolímpico, sendo alguns esportes adaptados, e outros criados exclusivamente para pessoas com deficiência física:


- atletismo
- biatlo
- esqui alpino
- esqui cross country
- hóquei sobre trenó
- levantamento de peso
- natação
- tiro
- dança esportiva em cadeira de rodas (ainda não disputado nos Jogos Paraolímpicos por ser praticado por poucas delegações)
- bocha
- esgrima em cadeira de rodas
- futebol de cinco
- futebol de sete
- goalball
- judô
- basquetebol em cadeira de rodas
- canoagem
- ciclismo
- curling em cadeira de rodas
- hipismo
- remo
- hugby em cadeira de rodas
- tênis em cadeira de rodas
- tênis de mesa
- tiro com arco
- triatlo
- vela
- voleibol sentado

Clodoaldo Silva é o maior medalhista paraolímpico brasileiro, pela natação.

Vamos torcer pelo Brasil também nas Paraolimpíadas!

E para você acompanhar e entender melhor estes jogos, vamos mostrar a cada dia um pouco mais destes esportes!

Que tal começar pelo rugby em cadeira de rodas ?

Para receber informações sobre os outros esportes durante os Jogos Paraolímpicos, cadastre seu email no nosso site (ao lado direito da tela) ou curta nossa fan page no Facebook: www.facebook.com/fisioterapia.denisepripas.

Veja também:



segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Pilates para todos

Tem gente que acha que o Pilates é uma atividade física que não se aplica a todo mundo...porém mostrarei aqui que ele pode ser ótimo para qualquer um.



Já postei aqui o depoimento sobre uma aluna que é atleta (clique aqui para ler), agora transcrevo o depoimento de uma advogada, que não praticava nnhuma atividade física, tem alta carga de trabalho e estresse no seu dia-a-dia.

Veja como o Pilates mudou a sua vida:

"Iniciei as aulas de Pilates por ter necessidade de realizar alguma atividade física, que me trouxesse bem estar, reduzisse o "stress" e dores decorrentes de horas de trabalho diante do computador.
Me surpreendi com o rápido resultado!
Em pouco menos de um mês, não sentia mais dores e saía das aulas bem relaxada. Também senti melhora na qualidade do meu sono.
Nos meses que se seguiram, senti a musculatura do corpo mais definida.
Hoje, não troco a prática de Pilates por nenhuma outra atividade física e, se a minha rotina permitir, pretendo aumentar a frequencia das aulas."

Além de atletas e sedentários, o Pilates também é ótimo para idosos, gestantes, pessoas com problemas posturais e amantes da atividade física. Aguardem mais depoimentos!


quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Pilates: o "cimento" dos esportes! - Depoimento de uma aluna-atleta

Já falei anteriormente aqui sobre os benefícios da Aula de Pilates para atletas, inclusive postei fotos e mencionei a Luli Cox, atleta de diversas modalidades - entre elas a corrida de aventura e endurance de bike - que faz aulas de Pilates comigo duas vezes por semana.


 Desta vez, darei a palavra a ela, copiando aqui um texto que ela escreveu sobre Pilates no blog dela, contando como o Pilates tem sido um ótimo complemento para os esportes que pratica:



"Pilates o "cimento" dos esportes!

Há dois meses atrás senti que meu treino estava precisando de complementos. Quando o volume de corrida aumenta é nítida a mudança que isso gera no meu corpo; eu que já sou encurtada por natureza, pioro ainda mais nessa fase.

Muitas vezes sinto dores nos ligamentos durante a noite. A musculatura sente se preparada mas os tendões não acompanham.

Atualmente minha planilha de treinos está bem recheada; treino bike uma vez por semana, corrida de 5 a 6, patins 2 vezes, fisioterapia preventiva uma vez, e por fim para juntar tudo isso resolvi fazer pilates duas vezes por semana.

O pilates me surprendeu.

Sempre prezei muito pela consciência corporal. Acredito que quanto mais escutarmos o nosso corpo maior será a nossa evolução e felicidade presente, não estou falando apenas como atleta ou pensando em performance, a consciência corporal vai muito além disso.


Nesses moldes comecei a usar o corpo como um laboratório não esquecendo de acompanhar os resultados. Bem aquilo que a gente aprendeu no colégio; "para toda ação existe uma reação".

O pilates mistura equilibrio, força, alongamento e respiração. Depois da primeira aula eu já senti os efeitos desse novo exercício e me peguei aplicando em variadas situações na minha rotina.

Provavelmente se você patinar, será um melhor corredor que te fará um melhor escalador e por diante. Um esporte melhora o outro, o pilates melhora todos."

terça-feira, 14 de agosto de 2012

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Pilates para gestantes

Culturalmente aprendemos que as gestantes não devem fazer esforço, que precisam se resguardar e tomar cuidado para não afetar o bebê. É claro que a gestação é sim uma condição em que o cuidado deve ser redobrado e que a gestante deve supervisionar a situação de saúde dela e do bebê, mas também não precisamos tratar a gestante como doente.



Com exceção de casos específicos patológicos como DHEG (doença hipertensiva específica da gestação) e descolamento de placenta, em que a gestante deve ficar em repouso e às vezes até ser internada, a gestante tem muitos motivos para praticar atividade física. Até mesmo uma gestante com diabetes gestacional pode fazer atividade física, sendo o exercício, juntamente com a dieta adequada, um dos principais tratamentos da diabetes, facilitando a captação da glicose do sangue por outra via, que independe da insulina.

O treino do Pilates traz inúmeros benefícios para a gestante:

- Consciência Corporal: já que a gestante está com o corpo em constante alteração, o trabalho de consciência corporal é essencial para que a mulher entre em contato com o próprio corpo e saiba reconhecer suas alterações;

- Equilíbrio:  Com o aumento do peso corporal e a projeção da barriga, o centro de gravidade da gestante se desloca para a frente, aumentando a demanda muscular para manter o equilíbrio;

- Respiração: O Pilates trabalha muito a respiração com aumento da excursão lateral das costelas, o que na gestante é essencial, já que a excursão do diafragma dela está em desvantagem, pois o feto está logo abaixo dele. Além disso, com a presença do bebê, o espaço de vários órgãos vitais, inclusive o dos pulmões, está diminuído, sendo muito importante o treino da respiração. Este também ajuda no momento do parto, onde a respiração é muito importante para a expulsão do bebê;

- Fortalecimento, alongamento e relaxamento da musculatura do períneo: o Pilates possui exercícios ótimos para o trabalho do períneo, e este deve ser dividido de acordo com a fase da gestação em que a mulher se encontra. Nos primeiros meses, deve ser feito o fortalecimento da musculatura perineal, já que o peso sobre a região será maior, e o risco de incontinência urinária é grande. Além disso, um períneo forte é necessário para "segurar" o bebê. No último mês, mais próximo à data estimada do parto, devem ser introduzidos os exercícios de alongamento e relaxamento do períneo, para facilitar a passagem do bebê no parto;

- Estabilidade da coluna e outras articulações e diminuição de dor lombar: pela alteração do centro de gravidade, pelo peso do bebê e pela ação da relaxina (hormônio que relaxa os ligamentos, deixando-os mais frouxos), a gestante tem uma instabilidade maior em suas articulações, principalmente na região lombar. O Pilates pode trabalhar para estabilizar estas articulações. O uso do músculo transverso do abdômen, muito solicitado no Pilates, é o principal fator de estabilização da coluna, e pode diminuir as dores na lombar, muito comuns em gestantes;

- Fortalecimento e resistência de membros inferiores e superiores: como o peso da gestante está aumentado, ela precisa de força e resistência nos membros inferiores para todas as tarefas do dia-a-dia, até mesmo para caminhar e se manter em pé. Já a força de membros superiores será essencial após o parto, para segurar o bebê. Além disso, considerando que a amamentação dura no mínimo 30 minutos, e ocorre a cada 3 horas, os braços da mãe devem ter resistência para aguentar o peso do bebê por todo este período;

- Estabilização das escápulas: devido à amamentação e aumento de peso das mamas, a estabilização escapular é essencial para a gestante;



- Puerpério: após o parto, a musculatura abdominal da gestante, que ficou distendida durante a gestação, deve ser estimulada para o retorno à sua função. O mesmo ocorre com o períneo, que entra em dilatação e é muito distendido no parto normal. Além disso, após o nascimento do bebê, ocorre uma alteração abrupta do peso e centro de gravidade da mulher, sendo necessário novamente um trabalho de equilíbrio e consciência corporal.



Apesar destes benefícios, temos que ter certeza que a gestante tem condições de praticar o exercício, e é primordial o acompanhamento frequente com o médico que a acompanha. A pressão arterial da gestante também deve ser aferida antes e depois de todas as aulas. Por isso vemos a importância de escolher bem o profissional que trabalhará com esta gestante, pois ele deve ter o preparo e conhecimento adequado para tratar das peculiaridades da mulher gestante.


segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Ouro olímpico: Arthur Zanetti e Sarah Menezes

Hoje ganhamos mais um ouro olímpico!



Enquanto todos esperavam uma medalha no solo de Diego Hypolito, favorito da ginástica artística em Londres, ele nos decepcionou ao ter uma queda em sua apresentação na fase de classificação e não chegou ao final.

Sérgio Sasaki, estreante nas Olimpíadas passou para a final individual geral masculina e fez um feito nunca alcançado antes pelos brasileiros: estar entre os 10 ginastas mais completos do mundo (já que nesta prova o ginasta compete nos 6 aparelhos da ginástica artística masculina).

Mas quem realmente fez história foi o até então "desconhecido" Arthur Zanetti. Sem figurar como um dos favoritos do Brasil na ginástica, Zanetti conquistou a medalha de ouro na prova das argolas.

Veja o vídeo de sua prova:



Com uma pontuação de 15.900 (6.800 de dificuldade e 9.100 de execução), O atleta passa a ser o único ginasta brasileiro a ter esta medalha, já que nem Daiane dos Santos, fenômeno do solo feminino, e que tem até um salto com seu nome, o "dos Santos", conseguiu esta medalha.

Além de Zanetti, o outro ouro brasileiro nestas Olimpíadas de Londres veio do judô, com a também estreante em Olímpíadas Sarah Menezes.

Veja a vitória de Sarah sobre a lutadora romena:



Ainda temos mais chances de medalha nestas Olimpíadas, então vamos torcer pelos nosso atletas!!

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Aula de Pilates para atletas


Muita gente acha que o Pilates é uma atividade de baixa intensidade, pouco impacto, e que portanto não tem muita utilidade para atletas de alto nível.

Que engano!


O Pilates pode e é sim muito utilizado em treinos de atletas de alto escalão. Tanto é assim, que as seleções brasileiras de vôlei masculino e feminino já tem o Pilates como parte da sua preparação física, para melhorar a performance e diminuir o risco de lesão dos seus atletas. Visto a ótima atuação que nossos atletas estão tendo nas Olimpíadas de Londres, sabemos que está dando certo!


Além destes benefícios, o Pilates também melhora propriocepção, equilíbrio, respiração, flexibilidade, força, resistência, potência, controle postural e condicionamento.

É claro que o Pilates para atletas de alto rendimento deve ser mais forte e específico, de acordo com o esporte praticado.


E para mostrar um pouco deste treino, coloco aqui as fotos da aula de Pilates da atleta Luli Cox, que treina Pilates comigo no NEAF Studio Pilates e já é fã da técnica!

A Luli faz vários esportes, mas o seu principal é a corrida de aventura e o endurance de bike.